Home / Notícias

Notícias

No Dia da Educação, Sistema FIEMS destaca desafios do ensino na pandemia
|28 de abril de 2021|

Existe uma saída para o Brasil e ela está na educação. É esta a avaliação do presidente da FIEMS (Federação das Indústrias do Estado de Mato Grosso do Sul), Sérgio Longen. “A educação precisa ser reavaliada e é nesta direção que nós, do Sistema FIEMS, estamos avançando”. E avançar significar adaptar-se a todo tipo de necessidade, como a histórica pandemia que impõe ao mundo novas formas de relacionamento em todos os campos, como na educação.

Nessa área, foi-se o tempo em que discussões sobre plataformas digitais de ensino e educação a distância (EAD) eram temas do futuro. As novas tecnologias vêm sendo incorporadas há tempos, em especial no nível superior, enquanto na educação básica ainda eram um assunto em análise. Era, no passado. Isso porque a pandemia do coronavírus obrigou escolas, professores, estudantes e famílias a se adaptarem ao “novo normal”, que hoje consiste em aulas remotas. 

Com o SESI e o SENAI essas mudanças não foram diferentes. No Dia Mundial da Educação, comemorado nesta quarta-feira (28/04), o gerente de educação do SENAI, Rogaciano Adão Canhete Júnior, recorda que assim que os primeiros casos de coronavírus chegaram a Mato Grosso do Sul, as aulas presenciais foram imediatamente suspensas e alunos e professores tiveram de se comunicar apenas de forma online.

Essa mudança abrupta foi extremamente difícil para todos e as reclamações eram comuns. O gerente recorda que “o SENAI já oferecia cursos EAD, mas essa modalidade consiste numa metodologia totalmente diferente. Nós, de repente, tivemos de desenvolver aulas remotas de cursos que tinham sido programados para serem realizados de forma presencial. Foi uma dificuldade muito grande”.

Leia também: Estudantes das escolas do SESI comemoram aprovação em Universidades 

Um ano depois do início da pandemia, hoje o corpo docente da instituição já está preparado e conseguiu se adaptar às restrições impostas. “As aulas teóricas precisaram ser mais interativas e interessantes e os instrutores têm buscado realizar conversas online com profissionais da indústria. Já as atividades práticas são realizadas presencialmente, mas com as turmas divididas para que os alunos possam se manter distantes e seguros”, conta Rogaciano Canhete.

Estudantes como protagonistas do processo de aprendizagem

Se o SENAI sofreu para se adaptar do dia para a noite com as aulas não presenciais, as escolas do SESI de Mato Grosso do Sul tiveram um pouco mais de facilidade. Isso porque a inserção de plataformas e ferramentas digitais já implantadas na proposta pedagógica há alguns anos facilitou o movimento emergencial causado pela pandemia.

Sobre esse ponto, o gerente de educação do Sistema FIEMS, Josebene Lima de Moura Filho, ressalta ainda a autonomia e do protagonismo do processo de educação dos alunos como um dos principais ganhos proporcionados pelas aulas remotas. “O aluno precisou se organizar sozinho para conseguir absorver o conteúdo”.

Nesse contexto, foi ainda possível que o professor tivesse mais controle sobre o aprendizado dos alunos. “Foi nesse momento que muitos professores perceberam lacunas no aprendizado que até então se pensava que já haviam sido preenchidas. Hoje, podemos dizer que a absorção de conteúdo entre os alunos está até mais nivelada”.

Na avaliação do gerente de Educação do Sistema FIEMS, outro ganho da educação remota foi a valorização do professor, já que as famílias passaram a entender de melhor forma a importância da escola na vida das crianças e adolescentes, e também a diversificação das aulas, que antes da pandemia acabavam quase sempre restritas ao quadro e os alunos enfileirados.

Mesmo que o SESI já tivesse mudado a proposta de ensino, para Josebene de Lima a educação ainda era mais tradicional e conservadora. “Com a pandemia, os professores tiveram de se reinventar para que os conteúdos ficassem mais atrativos. Acredito que mesmo depois da pandemia, ainda teremos aulas muito mais tecnológicas, com os alunos podendo usar ferramentas digitais e realizar reuniões por vídeo dentro da própria escola”. 

Veja o que diz o presidente da Fiems, Sérgio Longen:


 

Veja os depoimentos de quem faz parte desse time: 


Mais Imagens